Últimas Notícias
Você está aqui: Capa / Todo Conceito / Fazendo barba, cabelo e bigode. Na barbearia Rei Arthur. Daniel Dilson de França Junior

Fazendo barba, cabelo e bigode. Na barbearia Rei Arthur. Daniel Dilson de França Junior

Publicado 04/06/2012

Atualizado 10/05/2019

Fui buscar um pouco da história da profissão de barbeiro e achei coisas legais. A profissão de barbeiro é uma das mais antigas da humanidade. Achados arqueológicos mostram pentes e navalhas feitos de pedra, o que sugere que a preocupação com a beleza masculina vem de tempo.

Foi no Egito há aproximadamente cinco mil anos, que as pessoas já tinham a vontade de arrumar seus cabelos e foi nesta época que surgiram a perucas sofisticadas. Na Grécia, as imagens das divindades mitológicas assumiam um ideal de beleza e perfeição corporal. Essa preocupação estética levou à necessidade de um espaço exclusivo masculino e adequado para o tratamento de beleza, incluindo o capilar.

Assim, surgiram os primeiros salões de beleza e a profissão de barbeiro, exclusiva do sexo masculino. Mas, por que estou contando essa história? Simples, Daniel Dilson de França Junior adotou a profissão de barbeiro, tem bastante orgulho e fez dela um grande negócio, e é ele o nosso Foto Digital desta semana.

Daniel é um carioca, vive em São Luís há 17 anos e soube ouvir seu pai, que disse para ele vir para São Luís e ficar próximo da sua família, e graças a isso sua história profissional modificou. Ele era um profissional bem sucedido no Rio de Janeiro, ganhava um salário dos mais altos do mercado no ano de 1995, que passava os 5 mil reais, e trabalhava em um dos melhores salões carioca. Tinha sucesso, reconhecimento e realização, porém ele não sabia que sua vida iria mudar drasticamente.

Abandonou o grande salário e veio para São Luís ganhar 40 reais por semana, e isso  logo assustou o jovem que sonhava em ter seu próprio negócio. A pressão foi grande, a falta de dinheiro para manter seus gastos pessoais maiores e o inevitável aconteceu, com 3 meses resolveu jogar tudo para o alto e largar a profissão.

Largou a barba e foi colocar a mão na massa, foi trabalhar com o pai, seu Dilson, no ramo de produtos para panificadora, foi uma luta, largar seu sonho e tentar uma nova vida profissional. Não deu outra, com uma semana ele largou o trabalho com o pai e voltou para seu sonho que era ser barbeiro.

O recomeço dele foi muito interessante, passou a cortar cabelos dos amigos, por qualquer valor, no bairro do Cohafuma onde morava. Quem tivesse cabelo para cortar e tivesse algum para pagar, lá estava Daniel e sua tesoura para trabalhar, pois nunca foi de fugir do trabalho e mesmo ainda novo, já mostrava seu talento e sua forma de trabalhar com qualidade.

Por mais que pudesse não acreditar, pelo que passava naquele momento, era a profissão de barbeiro que no futuro seria a sua grande realização. Neste período que cortava cabelo por qualquer dinheiro, recebeu várias ligações do Rio de Janeiro para retornar ao salão em que trabalhava e voltar a receber o salário que ganhava e muito mais benefícios. Daniel sempre foi muito determinado e neste momento mostrou o quanto queria ficar aqui, mesmo não tendo dinheiro para pagar um café, ele preferiu ficar em São Luís, com seus pais e tentar vencer.

Daniel não imaginava o que estaria para acontecer, logo depois que decidiu ficar aqui, conheceu como o mesmo diz: “a mulher da minha vida”, a empresária Lilian Belo. Passava por um momento de muita dificuldade e foi neste período que ele realmente descobriu o quanto ela seria importante na sua vida.  Eles gostavam muito de ir à Avenida Litorânea, comer um belo de um caranguejo e muitas vezes, ela por baixo da mesa, dava o dinheiro para ele pagar a despesa, pois ele estava sem dinheiro, e isso é algo que ele não esquece.

Neste período, apareceu uma grande oportunidade e que deixa Daniel muito orgulhoso de comentar. Surgiu um convite no ano de 1996 para trabalhar em um dos melhores salões masculinos da época, o famoso Ópera, onde fez durante 4 anos uma clientela invejável e de lá saiu só no ano de 2000.

Logo após, em 2001, foi convidado para trabalhar em uma cooperativa de barbeiros, onde passou a ganhar 100% do que produzia, com isso dobrou automaticamente seu salário. Mas ele queria mais e seu sonho sempre voltava forte e acelerava as batidas do coração de um dia ter seu próprio negócio.

Daniel tem o jeito meio fechado, apesar de ter melhorado bastante com a oportunidade de conviver com tanta gente, mas ele é bem tímido. Quem ainda não conhece, até pode pensar que ele não está nem aí, mas não é verdade. Daniel é uma pessoa boa de lidar e fácil para conversar, só precisa descobrir os meios de chegar perto dele, e um dos caminhos é fazer a coisa certa, pois gosta de tudo muito bem feito e com qualidade.

É um apaixonado por São Luís, cidade que o recebeu, onde encontrou seu grande amor, construiu família e tem sucesso profissional. O que o deixa muito feliz é o reconhecimento da sociedade local pelo seu trabalho e o da câmara dos vereadores, que concedeu a ele o título de cidadão ludovicense, por meio do vereador Chico Carvalho.

Tenho que fazer um breve retorno no tempo e falar um pouco do início do jovem Daniel. Quando decidiu o que desejava fazer na vida. Terminando seu curso contabilidade e não conseguindo espaço na área, resolveu cair de cabeça na profissão do avô, um grande barbeiro e que tinha 3 famosos salões no Rio de Janeiro. Fez sua matricula no SENAC, onde fez o seu primeiro curso na área.

Com um mês de curso, um famoso barbeiro carioca ficou atento na forma como Daniel estava aprendendo e já fazendo seus cortes. Aproximou-se e fez a seguinte pergunta: “quanto tempo você está fazendo o curso?”. Tony era o nome do barbeiro, nem imaginava que Daniel só tinha um mês de aprendizado, ou seja, o famoso barbeiro viu no jovem o dom.

O interessante, e que o Tony ficou sabendo, é que toda a turma já estava há 8 meses fazendo o curso e Tony se surpreendeu como o jovem com apenas um mês, já tinha talento perto dos outros com mais tempo de curso. O barbeiro não perdeu tempo e fez o convite para Daniel trabalhar com ele e afirmou que poderia aprender muito mais na prática e também participaria dos lucros do seu trabalho. Com 6 meses, Daniel virou uma fera e conquistou o respeito de diversos clientes do famoso salão.

Neste momento, retorno a saída de Daniel da cooperativa e na grande virada na vida profissional dele. Em 2004, surgiu um ponto ao lado do restaurante Catalana que ele e sua esposa perceberam que aquele local, seria um excelente espaço para os objetivos profissionais dos dois e começava a surgir a Barbearia Rei Arthur.

A ideia do nome foi bem interessante e tudo conspirou a favor.  Daniel e sua esposa grávida de 7 meses estavam na praia e ela esperava um menino que já tinham escolhido o nome de Arthur, terceiro filho do casal que tem 3 filhos homens. Escrevendo o nome do filho na areia e falando sobre a profissão surgiu a ideia de batizar o novo negócio com o nome de Barbearia Rei Arthur.

Na época, também estava em cartaz em São Luís, o filme Rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda, Daniel com visão de Marketing, comprou vários ingressos e distribuiu para seus clientes, pois entre pensar no nome e abrir o negócio foi em apenas um mês.

Aproveitou a onda e fez mídia em rádio do novo negócio e investiu bastante na divulgação em jornais e distribuição de brindes. A Barbearia hoje tem oito anos de idade e com duas filiais. A matriz fica no bairro do Renascença, na capital maranhense, ao lado da Lilian Belo Cosméticos, empresa da sua esposa. E as filiais ficam uma no bairro do Cohajap, em frente a Raiuga e outra no Calhau próximo ao Gand Park, na galeria Espace Roon.

Começou o negócio com dois barbeiros, uma caixa, uma auxiliar e um engraxate. Ao longo do tempo novos profissionais chegaram e hoje tem 75 funcionários para atender ao público masculino com conforto e qualidade que são as marcas da barbearia, por isso a estratégia de abrir mais duas filias, pois o espaço da matriz no Renascença já não comportava com conforto todos os seus clientes.

O mercado só estava esperando um serviço como este e seus clientes apoiaram de imediato e Daniel fez um espaço para que os homens pudessem ficar à vontade para cuidar da sua beleza, mas focando também na família. E aí, voltando à Grécia, no início do texto, quando passou a existir a necessidade de um espaço masculino para que os homens pudessem frequentar, com o surgimento da Barbearia Rei Arthur, Daniel resgatou a história e fez a sua história no mercado.

É bom lembrar que a profissão de barbeiro, principalmente nas grandes cidades, foi sendo engolida pelos grandes salões de beleza, mas com uma estratégia inovadora, profissionais como Daniel conseguiram de forma inteligente renascer a profissão e o espaço dedicado aos homens.

Hoje, a Barbearia é um sucesso e presta diversos serviços aos homens de São Luís como: cabelo, barbas, limpeza de pele, hidratação, depilação, tinturas masculinas, reflexo invertido, spa dos pés, spa das mãos, engraxate profissional e outros.

A profissão de barbeiro proporciona várias histórias, tentei de todo o jeito roubar alguma, mas como um bom profissional ele disse que leva todas para o túmulo, mas me contou algo engraçado que aconteceu em um salão que trabalhou no Rio de Janeiro.

Uma manicure colega de Daniel vinha descendo o mezanino para atender o cliente, barbearia lotada no sábado, quando ela tropeça no último degrau e cai de cara no chão, graças a Deus na de grave aconteceu, porém sua dentadura correu todo o piso escorregadio até a porta, saiu pulando em todo salão e os clientes sorriam.

Daniel quer muita paz, não gosta de multidão, para ele o bom é uma rede e uma boa sombra embaixo da árvore e, quando pode, viajar, é outra coisa que gosta muito. Sua família é tudo para ele, como sua esposa diz: “é maravilhosa”, seus filhos são: “excelentes meninos” e seus funcionários: “extensão da minha família”.

Tem saudades das padarias do Rio de Janeiro (eu também como bom carioca que sou). Fica triste, pois ainda não conseguiu parar de fumar, acredita em Deus e como ele diz de si mesmo: “sou um homem honesto e trabalhador”.

Para ele, o bom profissional tem que estar antenado com tudo, buscando a modernidade e a reciclagem, ser inovador e um apaixonado no que faz. Para uma empresa sobreviver precisa manter a qualidade e surpreender seus clientes sempre.

O Daniel da Barbearia Rei Arthur é mais um vencedor, do menino que começou a vida vendendo quadro na feira, a um dos mais importantes profissionais da beleza, um empresário bem sucedido, tudo isso mostra que trabalhar com foco e amor são o caminho. Que Daniel continue fazendo barba, cabelo e bigode da sua vida e de todos que contam com ele e faça literalmente a cabeça de diversos homens que viram na sua empresa uma boa oportunidade de cuidar de si com qualidade e privacidade.

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Scroll To Top